Sou um parágrafo. Clique aqui para editar e adicionar o seu próprio texto. É fácil! Basta clicar em "Editar Texto" ou clicar duas vezes sobre mim e você poderá adicionar o seu próprio conteúdo e trocar fontes. Sou um ótimo lugar para você contar sua história e permitir que seus clientes saibam um pouco mais sobre você. Se desejar apagar, basta clicar sobre mim e então pressionar a tecla Delete.

FAÇA PARTE DE NOSSA FAMÍLIA

A implantação da nova doutrina sucedeu, graças à rápida difusão desses fenômenos, nos cinco continentes, terem despertado o interesse de numerosos sábios em estudar sua veracidade, suas implicações científicas e filosóficas e muitos, desejosos de desmascararem o que presumiam ser uma grande e absurda impostura.

Para que o leitor possa ter uma idéia dos acontecimentos daquela época, de que participaram ativamente milhões de pessoas de todos os níveis: social, político, econômico, religioso e intelectual, faremos alguns apontamentos que esperamos retratem, embora palidamente, esse momento histórico.

Em 8 de maio de 1852, publicou-se, em New York, o primeiro periódico espírita: o "Spiritual Telegraph". Em 1853, já existiam nos Estados Unidos centenas de publicações de diferentes orientações, algumas com edições de mais de dez mil exemplares.

Foi, também, na mesma NY que se constituiu a primeira sociedade espírita, em 10 de junho de 1854, da qual faziam parte, entre outros ilustres personagens, o Juiz da Suprema Corte daquele Estado, John W. Edmonds, e o Governador Tallmadge, de Wisconsin. Essa sociedade foi a responsável pela edição do jornal "The Christian Spiritualist".

Em 1855, artigo publicado no "Modern Spiritualism" refere que em NY o fenômeno espírita havia deixado de ser uma curiosidade ou maravilha e se tornado uma coisa reconhecida em toda a cidade e que as sessões públicas eram freqüentes. Merece especial menção Emma Hardinge, médium escritora, oradora e grande divulgadora do Neo-Espiritualismo (termo usado por muitos para designar a doutrina posteriormente chamada Espiritismo) e que escreveu dois livros narrando os acontecimentos que fizeram a História do Espiritismo: "Modern American Spiritualism" e "Nineteenth Century Miracles", onde a autora aborda um grande número de casos ocorridos durante esse período. 

O sectarismo religioso e os interesses contrariados originaram movimento antagônico que se caracterizou por perseguições e condenações infelizes. Muitos perderam o emprego ou foram apontados na rua como loucos (em evidente processo de desmoralização) ou acusados de fraudadores e aproveitadores da crendice popular ou menosprezados, vilipendiados, perseguidos e impedidos do direito de se reunirem. Negociantes e profissionais eram obrigados a negarem suas convicções, para não serem arruinados pela discriminação. A imprensa e as religiões atacavam sem qualquer escrúpulo os prosélitos da nova revelação. Os locais onde se reuniam os neo-espiritualistas eram atacados a berros e assobios e quebras de vidraças, numa dolorosa demonstração de fanatismo e intolerância religiosa.

Entretanto nada impedia a difusão dessas idéias, que prosseguiam demonstrando a possibilidade da comunicação com os "chamados mortos", que se mostravam " realmente vivos". 

As "conversas" com as mesas girantes e falantes disseminaram-se por todas as nações do Velho Mundo. 

Na França, tornou-se uma mania social. A curiosa diversão se fazia presente em todas as reuniões sociais. O jornal "L'Illustration", de 14 de maio de 1853, transcreve artigo de Jules Janin, literato francês, cognominado "o príncipe dos críticos", onde inicia dizendo: "A Europa inteira, que digo eu: a Europa? Neste momento o mundo todo tem a cabeça transtornada por um experiência que consiste em fazer uma mesa girar. Em todas as partes se ouve falar na mesa que gira". O mesmo periódico retratando acontecimentos sociais da época, apresenta uma ilustração que mostra um belo salão onde dezenas de senhores e senhoras, em trajes de gala, estão ao redor de três mesas (algumas pessoas com as mãos sobre elas) e, com certeza, conversavam com os espíritos.

Os jornais noticiavam e polemizavam sobre o assunto. Caricaturas apresentavam as mesas girantes participando do cotidiano dos europeus. 

As charges eram críticas, algumas, como aquela que apresentava três membros do Instituto (referência à Sociedade de Ciências de Paris) conversando e um deles diz: -"Estas histórias que por aí contam estão interessando a muita gente honrada. Quanto a mim, prefiro não crer nessas coisas a ir vê-las". Outras, em maior número, eram engraçadas e ridicularizavam os acontecimentos, como aquela em que, sob o desenho de um pequena mesa de três pés, o caricaturista escreveu: "Jovem mesa, de exterior simpático, fala várias línguas e conhece um pouco de aritmética e muitas histórias, pede um lugar de intendente de finanças". Ou como aquela que ilustra uma sala onde o patrão adverte o mordomo dizendo que a mesa "escreveu que Baptiste é um maroto e que bebe meu vinho". 

Tal era o clima na Europa sobre as mesas girantes: predominava o sentido de diversão. 

Muitos brincavam com as mesas, sem qualquer preocupação com o que tais fatos poderiam ocasionar ou procuravam explicá-los das mais diversas maneiras, sem estudá-los devidamente. Havia, também, os que se negavam a presenciar o fenômeno e, numa atitude anticientífica, afirmavam que tais coisas eram impossíveis de acontecer, tachando de charlatões ou tolos aqueles que os aceitavam por terem visto e conversado com as mesas. 

Felizmente, muitos foram os que buscaram estudar o palpitante assunto, para opinarem sobre sua veracidade e suas causas.

Do livro: Tire suas dúvidas - Grandes Temas Espíritas
Autor: Homero Moraes Barros
Editora Didier.

DIFUSÃO MUNDIAL

HORÁRIOS

SERVIÇO DE DOMINGO

Todos domingos das 18:00 às 20:00

 

SERVIÇO PARA GRUPO DE JOVENS

Toda quarta feira das 15:00 às 16:00

SOBRE NÓS

O Centro Espírita Paulo e Estevão é composto por vários grupos que além de levar a Doutrina Espírita ao conhecimento da comunidade, tenta amenizar na medida do possível o sofrimento de famílias carentes de São Vicente.
Fundado em 12 de Setembro de 1954, o CEPE vêm ao longo dos anos realizando vários trabalhos em prol da comunidade. Realizando campanhas de fraternidade, visitas a hospitais, orfanatos, asilos e instituições de caridade. Faça-nos uma visita e conheça um pouco mais sobre essa maravilhosa Doutrina que prega a moral e o amor ao próximo. 

LOCALIZAÇÃO

Rua Visconde de Tamandaré, 442
São Vicente - SP. 

( 13 ) 3467-5303 

CONECTE-SE
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Google+ Icon

© 2004 - 2020 by FBassi